terça-feira, abril 18, 2017

Historias em 77 palavras (Desafio nº 48)

Estamos perante mais um desafio de Margarida Fonseca Santos em parceria com a Rádio Sim  (que acontece a cada dia 10, 20 e 30 de cada mês) em que somos convidados a escrever uma história em 77 palavras mediante o tema que nos é facultado:
Desta vez é:

«E o que será que vão escrever a partir desta imagem?
A personagem principal ao olhar para o espelho, 
encontra a sua silhueta coroada por uma cara que não é a sua.

Pois, já devem estar a refilar comigo, mas experimentem».


Não foi muito fácil, mas tentei e embora bastante atrasada aqui fica a minha história referente ao passado dia 10.


Era noite alta e Francisca, sozinha, toda enroscada no canto da lareira como se fosse um gato. Para ali estava, sem ninguém para conversar e, por vezes, o medo assaltava-a. A sua vida era assim. Nunca casara e já se arrependera. Mas, nada a fazer. Era tarde. Levantou-se e espreguiçou-se dirigindo-se para o quarto. Olhou-se no espelho da cómoda e assustou-se. Não se reconheceu. Sobressaltada reparou que afinal era a Lua que, refletida no espelho, lhe sorria.



(((((((((((((()))))))))))))))


Desejo-vos uma boa semana.
Abraços, Ailime

6 comentários:

  1. Adorei tua inspiração, Ailime! Ficou ótima! bjs, linda tarde! chica

    ResponderEliminar
  2. Linda história! O final foi show, a lua sorrindo para ela. Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Ailime...uma belíssima inspiração! Bj

    ResponderEliminar
  4. Ficou uma bela história!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Ailime
    as vezes eu me pergunto se conseguiria tal façanha das77 palavras. Nunca tentei , então não sei
    Mas você tem sempre historias interessantes nessa limitação das palavras. Gostei ! a personagem ver-se no espelho comparada com a lua. Puro encanto !

    bjs

    ResponderEliminar
  6. Adorei...está parecendo eu quando fico só lá no mato...kkk
    e sempre uma lua a me sorrir.
    Acho difícil brincar em 77 palavras.

    bjs

    ResponderEliminar

Caminho por aí, quer chova, quer faça sol! Até quando não sei!
Só sei que quero caminhar e contra ventos e marés nada me impedirá de construir os meus castelos!Ailime